Gonçalo. António é bombeiro há 34 anos e nunca tinha visto um fogo tão voraz